terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Dignidade no asfalto

Em uma curva do destino
Em uma queda na estrada
Em um descaminho do destino

Meu orgulho
Minha dignidade
E meu corpo jogados no asfalto

A dor pelo corpo quebrado
Pela dependência dos outros
Pela humildade obrigada

sábado, 10 de dezembro de 2016

Solidão

Quando de todos me afastar
Mentiras e injurias espalhar
Todas as vozes calar
E para os amigos, as costas virar

Tudo abandonar
O coração novamente fechar
E no silêncio me abrigar

Agora
sozinho
em silêncio
no escurido

meu lugar...
reencontrar...

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O mago e a dançarina Fim

Apos meses sem se ver. O mago negro caminha suavemente até a dançarina que guardava a porta do santuário. O clima tenso. O sorriso arrogante dele. As lágrimas de fúria dela. 

A mão da dançarina se move como um borrão e acerta o rosto do mago.

Dançarina - Por que fez isso?! Você sabe que sou a unica que ainda se impota em te ouvir. Em saber o porque fez o que fez!

O sorriso fica mais largo.  Como um predador se divertindo, sendo cruel com a presa. 

Mago - Porque eu queia seu ódio ou seu desprezo, porque eu precisava do seu silêncio. Porque eu tinha de destruir o que sentia por mim... Poque eu não sou seu protetor, seu segurança, seu amigo. Não sou quem vai te escutar ou me importar.
Dançarina - Seu idiota. Você poderia apenas ter ido embora, não precisava me magoar. Machucar nossos amigos. Arriscar meu emprego. Você me deve desculpas!
Mago - Você pode dizer que não me chamaria? Que não haveria um próximo evento, uma próxima musica. Mais uma dança? Não menina. Eu fiz o que fiz por meus motivos egoístas. Por meus objetivos, e meus caminhos. Só meus objetivos importavam, só eles importam. Não preciso de um coração mudando meu caminho, não preciso de você mudando meu destino.
Dançarina - O que fez foi errado!
Mago - Eu nunca disse que eu prestava.

Outro tapa.

O mago entra no santuário sorrindo. Ele trancou seu coração. Ele deixou de se importar. Com os outros, com sua dançarina, com seu coração...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Mais uma vez

Mais uma vez
Tudo
Todos afastar

Mais uma vez
Todos
Descartar

Mais  uma vez
O meu passado queimar
Para traz não mais olhar
Para você. Nunca mais voltar...

domingo, 20 de novembro de 2016

Cansado

Nos fomos assim
Não, nos somos assim
Será que sempre será assim?

Nos aproximamos
Eu me encanto
Com seu sorriso de menina
Seus olhos de mulher

Então

Nos Brigamos
Nos Fugimos
E novamente voltamos

Mas hoje estou cansado
De meias palavras
Meias verdades

De esconder sentimentos
De não revelar pensamentos

Hoje estou cansado

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Quando se ama

Quando se ama
Seu bom senso
Seu orgulho
Tudo se deixa de lado

Quando se ama
E mesmo assim, para se mesmo, mentir
Para longe de ti ir.

Quando se ama
Não se consegue esquecer

Mesmo se escondendo
Mesmo tentando
Mesmo querendo

Quando se ama,
Quando a verdade se faz presente
Quando finalmente eu consigo ver...

Que
Seu perfume é meu ar
Seu sorriso minha luz
E seus olhos meu destino


Perdi

Ah eu gosto de ti.(?)
Mais que um querer.
Bem mais que quero admitir

Ah eu sei
É insensatez
Eu tentarei fugir
Eu tentarei correr
Atrás de meu orgulho, me esconder.

Mas eu sei.
Infelizmente
Felizmente
Eu sei

Mas no momento em que ti vi
Meu coração
Meu juízo
Minha paz e minha razão

Perdi

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Cansado

                        Estou cansado
De lutar
De calar
De não falar

De dançar
Mas não poder te beijar
De te abraçar
Mas ter de me controlar

Estou cansado
De ser seu amigo
Seu ouvido
De ser simplesmente, absolutamente seu...


Cansado

Foi?:

Foi melhor assim
Finalmente você
Longe de mim

A escolha pelo mal menor
A escolha de um coração ferido
A escolha pela solidão maior
A escolha de um coração partido

Carrego comigo teu silêncio
Carrego a lembrança insuportavel
Da nosso ultimo dançar
Carrego comigo, o que o tempo deve apagar
Tem que apagar

Carrego minhas palavras crueis
Carrego a dor que causei
A imagem dos nossos coração que  despedacei

Pulsando em meu peito

As vezes uma musica lhe envolve.
As vezes um seu coração bate no ritmo da percussão.
As vezes só fechamos os olhos e nos deixamos levar...
As vezes não queremos que a musica termine
As vezes deixamos de existir enquanto bailamos
Somos notas perdidas no salão
Somos o pulsar da percussão
As vezes
Nosso corpo fala durante o dançar
As vezes
Mesmo falando o contrario
Mesmo escondendo os sentimentos
Mesmo negando
Simplesmente nos entregamos
Nos perdemos
Sentimos o coração da amada pulsando em nosso peito
Sentimos a musica nos levar.



domingo, 13 de novembro de 2016

O mago e a dançarina (Fim?)


Ela - Por que fez isso?
Ele - Porque eu quis. Porque eu não me importo mais. (Porque eu te amo, mas não falarei mais)
Ela - O que você fez foi errado!
Ele - Eu sei. Sim foi errado. (Mas faria de novo)
Ela - Você me magoou.
Ele - Eu não me importo mais. Você estava com outro. ( Doi em mim, mas tenho de te afastar)
Ela - Eu nunca lhe dei esperanças. Eu nunca dei a entender que te queria.
Ele - E eu não me importo mais (Não quero mais ouvir você dizendo não)
Ela - Não vai mesmo pedir desculpas?
Ele - Não. Eu fiz o que desejei fazer. Não peço desculpas quando faço o que desejo. Mesmo que seja errado
Mesmo que magoe, mesmo que seja o que é certo a fazer. (Nunca mais falará que é minha amiga e isso é bom)
Ela - Não se importa mais com o que eu sinto? Não se importa mais com o que nenhum que esta aqui sente?
Ele - Não! Eu não me importo (Nem mesmo com o que eu sinto)
Ela - Por que ainda falo contigo se você não se importa!
Ele - Por que você é burra! (Algo quebrando em minha mente, em meu peito)

Ela levanta e sai.
Ele deita no chão e ... silenciosamente.

Porque doe menos quando não ti vejo.
Dói menos quando não nos falamos.
Dói menos quando não escuto você dizendo não

Nunca mais me chamará de amigo
(Odeio quando o faz)
Nunca mais dançar juntos
(Odeio ainda mais por não poder te beijar)

Amizade não é o bastante
Com a distância o tempo
poderá apagar
Os sentimentos que esse coração não quer calar...

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Não vê

As vezes é assim
A menina olha e não vê
A menina olha e finge não ver

As vezes é assim
Quando desistimos
Ela lhe chama
Quando vamos em bora
Ela lhe chama para dançar.

Para mais uma vez tentar
Para mais uma vez fracassar
Para mias uma vez...
Ela não lhe ver.

Dama de olhos castanhos

Pela noite ele a encontrou
A mão estirou
E o convite, silencioso, ela aceitou

De olhos castanhos
Um sorriso tímido
A mais linda dama, ele achou

A afinidade aconteceu
Coisa assim a ele
Nunca se deu

Quando se mergulha em um abraço
Quando se dança a musica do mar
Quando se segue o ritmo do vento
E a melodia do luar

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Em noites assim...

Em noites assim
O vento me chama
A noite me clama

Em noites assim
Eu busco a solidão de teu olhar
A quietude do seu sorriso
O calor dos nossos corações

Em noites assim
Em que ando sem destino
Em noites que vago por descaminhos
Sempre te encontro em meu caminho

Em noites assim
Que o certo é de ti fugir
Em que para mim, não posso mais mentir...

Não posso mais ficar longe de ti