quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Oceano de Estrelas (Revisado)

Meu olhar a vagar
Pelo mar de luzes
Sem conseguir descansar

Me perdendo em um oceano de estrelas
De uma cidade
Não familiar

De você menina... Já não posso escapar
Você... Que em seus sonhos
Esta a me chamar

Você ainda a tentar
Ainda a se enganar
Mas o coração a fraquejar...
E essa noite

Antes de dormir, quando o desejo falar
É meu nome que vai chamar...
E ao acordar não mais poderá negar
Que com saudades deste poeta vadio, estar...

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Deusa 2


Aquela que encontrei

Ela tem em si, o poder
Do mar em tormenta
E carrega em si
A gentileza do vento ao sorrir

Por vezes me mostra
Uma determinação,
Capaz dos céus derrubar

Seu rosto tão jovem
De tão poderoso olhar

Aquela que me encontrou

É
A donzela, por qual meu desejo chama.
A mulher, que ao meu lado anda.
A sabia, que, pacientemente, me ensina.

A encarnação da deusa, que a esse poeta veio encantar...

domingo, 17 de setembro de 2017

A mais bela

Pelo mundo já viajei
Mas nenhuma de maior encanto
Entre o céu e a terra encontrei.
E essa noite
Mais uma vez te encontrarei
Mais uma vez em teu abraço
Me perderei
E do mundo esquecerei

De pele clara
E um sorriso gentil
Mais que é capaz

Capaz do inferno congelar
Do céu abalar
E o coração deste vadio poeta... conquistar.
------------------------- x -------------------------
Mas não sou eu quem essa tão bela dama deseja. E como em todas as outras noites. Vamos dançar, tecer magia ao baila e aos nossos caminhos retornar...

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Espirito do luar

Então te encontrei.
Bela e esguia,
Olhando para para os casais
A dançar

De longos cabelos castanhos
Olhos misteriosos
Uma linda dama com a pele
A pele da cor do luar

Como espíritos do vento
Começamos a dançar
Sem peso, sem corpos
Fomos mais leves que o ar

No meio de um passo
Meu carinho em seu rosto
Minhas intenções revelar

O bastante para te desconcentrar
Seu giro desequilibrar
E seu cotovelo em meu rosto acertar
Minha nuca                                                                                                                                                                      
Em um abraço fechado
Ela me puxar
(ainda bem, porque o chão estava a me chamar...)

Ao final da musica.
Minha nunca estava a sangrar
Mas aquela linda dama...
Ela... Ela parecia brilhar

domingo, 3 de setembro de 2017

Noites (Texto revisado)

Noites de livros e solidão
Noites de pergaminhos e exatidão
Noites. Apenas mais uma noite

Em que nada vai mudar.
Em que nada vai acontecer
Apenas o tempo estagnado
Apenas o dia que volta a anoitecer

Mais um dia...
Apenas outra noite...
Sem você...

Apenas mais uma noite de quem finge que não ama mais você

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A Dama de Ébano

Em uma sala de aula de dança. Perto do fim da aula dois dançarinos estão sentados no chão, encostados na parede. Cansados, suados e com dores, conversam calmamente. Um observa um casal, avido por um movimento que ele possa roubar imitar. O outro avido por um olhar, um sinal, de qualquer garota bonita que ele espera que o possa notar.
Os olhos deles caem sobre a mesma garota. A dama de Ébano. Uma linda dançarina, de pele negra, olhos escuros, corpo voluptuoso, um modo sensual de caminhar, de andar. Seria ela a mais bonita ali? Talvez, se não fosse seu gênio de tempestade. Séria a melhor dançarina? Se algum dia ela se deixar conduzir... Quem sabe...

- Por que não gosta dela? Ela é linda. Negra, corpo escultural, cabelo cacheado e aqueles olhos que me desconcentram -- Falou o primeiro com certo ar sonhador.
- Não encaixamos. Digo sabe química. Quando você conhece alguém e gosta, o abraço é perfeito. Você sabe que vão dançar bem assim que abraça, temos exatamente o oposto. Ela dança muito bem com qualquer um. Mas não comigo. Sim eu sei metade da culpa é minha.
- Eu dançaria, mas ela sempre reclama do ritmo. Não consigo acompanha-la. Sempre travo e passo vergonha. Na verdade ela se irrita se o movimento não for perfeito. Você já consegue então me represente.
- Se eu olhasse para o corpo dela como você o faz, realmente não conseguiria nem o passo mais básico. Mas ela gosta ainda menos de mim que de você.  Você viu a cara de profundo desagrado da ultima vez.
- A primeira vez ela te largou no meio, da ultima ela só te detestou, mas não te largou já uma evolução.
- Olha já dancei com mais de 500 damas, e ela foi a que eu menos gostei. Por que em nome da Deusa eu voltaria a dançar com ela?
- Porque meu caro se você for capaz de dançar bem com ela. Será capaz de dançar bem com qualquer uma. Afinal ela te odeia você a detesta. Então você e ela estão em outro nível.
- Sim para mim dança é a junção de técnica e emoção. Se a emoção atrapalha a técnica, então se eu dançar bem com ela, minha técnica vai evoluir.
- Sem falar que ela é linda.
- Sei sei. Nada é fácil!
- Você quem disse. Se for o caminho fácil, certamente é o caminho errado!

A musica começou.
Rumo à musa de ébano. 
O dançarino caminhou

Conflitantes sentimentos
Os olhos cruzar
Mesmo assim
Juntos eles começaram a dançar

Ele sorriu
Era uma dança
Era uma musica
Era uma dama
E ele precisava bailar



Concentração, tensão.
A consciência de cada movimento
A exatidão de cada momento
Do ritmo exato
Do passo preciso.

Ao terminar,
Parecia que o peso do mundo 
Saíra de seus ombros
Uma coisa é dançar
Outra é cada mínimo movimento controlar.

Para ele dançar é tecer poesias
Dessa vez foi uma parnasiana.
De métrica e rima
Porém um tanto fria e sem emoções

Ao fim da musica os rostos estavam quase colados... Ele ainda sorria e o rosto dela era quase bonito aos olhos dele. Porém algo a irritava. Não foi tão ruim quanto da ultima vez, mas ainda falta muito para ser bom. Se ele dançou bem. Não saberei dizer,
E mesmo infeliz ele decidiu, com aquela dama de ébano muitas vezes mais ele iria dançar. Não era ela com quem ele queria dançar, mas certamente ela o ajudaria a melhorar, mesmo sem saber. Por teimosia ou orgulho, ele decidiu fazer aquela dama sorrir enquanto dança.


Mesmo que isso leve o tempo que parece que vai levar...

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Hora de recomeçar

Vou deixar
O vento levar
O tempo
Teu doce cheiro
Apagar

Apagar as lembranças
De uma amor
Que hoje, só me faz
Lagrimas derramar

Tanto me entreguei
Mas a noite esta a me chamar
Há tanto te amei

É hora de recomeçar
De o passado abandonar
De um novo amor encontrar

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Para você


Novamente
Sua melodiosa voz
A minha paz, perturbar.

Mas em guarda
Esse poeta vadio
Estar

Perante sua beleza
Seu olhar
Minhas defesas
Nunca mais baixar

Não importa o tempo
Não importa os próximos
Eventos

Para você...
Menina com olhos de obisidian...
Fechado, meu coração sempre
Há de estar

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Mar e por do sol (1.2)


Então de novo no mar
Então de novo aqui
De novo o por do sol a minha frente
A noite ha minhas costas

Por que?...
Ainda penso em você
Um cigarro, denuncia meu humor
Meu olhar, a minha solidão...

Os dias passaram
Os anos
Contigo, nunca mais falar...

Deixei de ser o aquele que você ama...
Mas ainda sou seu
Deixei-te em meu passado
Em minhas lembranças...

E comecei a fingir, que não amo você


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Longe de ti...


A tristeza
Essa noite
Me encontrar

Eu suas memorias
Por essa noite
Estou a vagar

Lágrimas
O céu
Por nossa distância, derramar...

Meu orgulho, seu silêncio
Finalmente nos calar
Enfim para longe de ti
Estou lentamente a caminhar...

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Longe a vagar...

Ao teu lado (doce menina)
Foi bom caminhar
Mas já é hora
Hora de me afastar

Sem uma ultima dança
Sem uma ultima recusa
Sem um ultimo sorriso
Sem um ultimo olhar

Teu sorriso
Como era como sol a brilhar
Uma pena
Que eu seja filho luz do luar





terça-feira, 11 de julho de 2017

Se aquietar

  
Teu sorriso prende meu olhar
Teus olhos me fazem sorrir
Teu andar a me encantar

Teus lábios
Gentis recusas, me falar...
Seu doce bailar com o vento
A me desconcertar

Ah meu bem
Meu coração por eras vadio.
Deseja ao seu lado estar
Se aquietar

Será que a doce menina de olhos castanhos
Irá, novamente, me rejeitar...
Ou apenas com medo de admitir

Que encantada por este poeta vadio pode estar...

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Da cor do luar

Será que foi seu gentil jeito de falar.
Seus inteligentes olhos castanhos
Ou talvez a sensualidade de seu caminhar.

Quem sabe foi sua pele
Da cor do luar
Talvez nosso modo de bailar

Será que foi o fogo
Que vi por traz
Da calmaria do seu olhar

Ah meu coração vadio
Por uma linda bailarina
Esta a se enamorar...

terça-feira, 20 de junho de 2017

Na tristeza de seu ollhar

Teu sorriso
Novamente
Encontrar

Minha mão
Teu rosto
Afagar

Depois de tantas
Cicatrizes
Estas feridas em meu peito
Voltam a sangrar

Depois de tanto tempo
Volto a me perder
Na tristeza que carregas em teu olhar